sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Um "velho" enredo para o carnaval!

Como serão os sambas enredos das escolas de samba no Rio de Janeiro para o carnaval de 2012?  Há muito tempo o Carnaval no Brasil, na figura dos grandes patronos de escolas de samba, mascara contravenções. E, nossas autoridades, (juízes, delegados, desembargadores, policiais civis e militares) sabem perfeitamente que atividades esses "senhores" exercem, mas nada fazem, porque pela Lei das Contravenções Penais, o jogo de "azar"( para sorte dos contraventores) é infração leve.

O próprio secretário de Segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, parece ter jogado a toalha em relação ao jogo do bicho: “Ou se criminaliza essa prática, ou se legaliza”, disse Beltrame, depois de prender pela sexta vez o mesmo apontador de jogo.
Estamos cansados de saber quais os interessados na clandestinidade do jogo de bicho, não é mesmo? Como se não bastasse, fomos presenteados com um final de ano recheado de operações cinematográficas, com a polícia enxugando gelo ao invés dos nossos governantes fazerem o que é correto!
Para a justiça, “o apontador do jogo do bicho deve ser preso , trata-se  do elo fraco, a isca para a polícia apanhar o ''peixe grande”. Mas , como vimos recentemente, a história não é tão simples assim, pois , quando o “peixe grande” é preso não “há fato concreto” na investigação para embasar a prisão. Será que a justiça precisa de documentos provando por escrito com registro em cartório que eles são bicheiros?

Chega de Hipocrisia! O jogo do bicho há muito tempo não é mais um jogo inocente. Os resultados são manipulados, movimenta bilhões e tem por trás de si vários crimes de quadrilhas armadas, como homicídio, lavagem de dinheiro e corrupção.

Resta saber se os “bicheiros dos sambas” estarão novamente em 2012 durante a apuração dos resultados ostentando seus apetrechos de ouro, debaixo dos holofotes da Globo, como sempre o fazem.
E saber que o povo (a duras penas) e o governo financiam esta presepada sob codinome carnaval!

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Queda de braço na segurança pública!

Temos por hábito individualizar problemas. Às vezes, criticamos um ou outro profissional (normalmente na área pública) que não cumpre o seu papel, mas, a verdade que por detrás de um mau profissional há uma corporação inteira mal preparada e conduzida. Até onde eu sei, não são realizados testes psicológicos com os futuros funcionários, a fim de constatar improbidade para determinadas funções.

Tomemos como exemplo a nossa polícia. Não fazendo apologia aos criminosos, uma polícia que pratica a tortura como técnica de investigação e oprime a população é uma polícia mal formada por inteiro. E a culpa é do sistema, pois, o modelo utilizado na formação dos oficiais é baseado no abuso de autoridade e agressões, fruto de nossa herança do passado (escravidão do século 19), que faz com que pessoas da base da pirâmide social continuem sendo oprimidas, tratadas como cidadãos inferiores.

Outra falha é a divisão. No Brasil, diferentemente de vários países do mundo, são duas as polícias, a civil (de caráter jurídico) e a militar (de caráter preventivo), e cada uma tem uma função. A meu ver, uma divisão desnecessária, porque além dos gastos excessivos (tendo duas policiais, tudo é em dobro: o número de pessoas, o número de imóveis, o número de viaturas...), é sabido que não há uma “reciprocidade” entre elas. Ao contrário, ambas criticam a atuação uma da outra.
E mais uma vez, o próprio sistema contribui para esta falta de integração: se um policial civil quiser ser militar ele não pode simplesmente ser transferido. Vai ter que começar tudo de novo: fazer curso e concurso e Vice-versa. Resumindo, estão juntos e separados!

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Cheque em branco

Todo o fim de ano nossos representantes resolvem aumentar os seus salários. Ao contrário da grande maioria da população, que espera a merreca do aumento do mínimo anualmente, eles podem decidir quando e quanto seu salário deve aumentar.
 Alguns até que realizam protestos, mas a grande maioria da população assistem inertes ao “gordo” aumento salarial de seus representantes (sem contar com os benefícios e vantagens).
É fato! Ao eleger um representante o povo acaba pagando muito por pouco. Assina um cheque em branco. E isso acontece em todos os municípios brasileiros.
A revolta é que muitos trabalham para o enriquecimento próprio e invariavelmente cometem atos ilícitos devido contarem com uma espécie de “imunidade” (que culmina numa “impunidade eterna”) e quase nada retornam para a sociedade que representam e cujos interesses deveriam defender com seu trabalho e com as leis que redigem e votam.
Em minha opinião, até os eleitores se tornarem mais conscientes e preparados, para votar bem e melhor, os ocupantes dos cargos eletivos deveriam receber salários dos partidos dos quais fazem parte, como diria minha avó: “Quem pariu Mateus que o embale”.

 

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Às escuras...

 Sexta-feira (23), a convite de minha mãe, fui assistir a uma apresentação do Grupo Reencontro em Seresta (Grupo monlevadense de Seresta que recebeu o titulo de utilidade pública na gestão Moreira) na Praça Sete de Setembro, que, diga-se de passagem, tornou-se infrequentável.
 Fiquei horrorizada com a falta de estrutura técnica. Não havia iluminação no interior do coreto, o que fez com que os cantores ficassem no escuro. Quem passava pela Getúlio Vargas tinha a impressão de estar ouvindo a uma gravação, porque não se via nada!

Alguém cosegue enxergar o Coral ao fundo?
Sem contar que, o público para prestigiar o evento, limitou-se aos parentes dos seresteiros e os tradicionais “moradores” da Praça Sete. Fiquei indignada com a falta de respeito e consideração da administração municipal em relação aos artistas.  Depois falam que a gente fica só na base das críticas... O negócio é que quem cala consente, o que não é o meu caso!


quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Até que ponto ter compaixão?

A história sempre se repete... Chuvas, inundações, desmoronamentos, desabrigados, vítimas. Salvo aquelas que são acometidas por fenômenos “naturais”, como um tsunami, a maioria das vítimas das chuvas parecem gostar de viver perigosamente, porque sempre são reincidentes.

É sabido que os recursos hídricos procuram seus cursos naturais, traduzindo, não são rios e córregos que invadem casas e sim, as casas que invadem aos mesmos.
As encostas das cidades normalmente sofrem invasões de pessoas, que constroem suas casas de noite para o dia, sem nenhuma preocupação com a segurança.  E, o poder público faz vistas grossas ou é conivente, não fiscalizando e removendo os invasores, que além de errados, exigem água, esgoto, energia elétrica e até pavimentação das ruelas abertas.
E assim, retornarmos ao ciclo vicioso que se repete anualmente, chuva, desabrigados, doações.  Soluções paliativas para problemas recorrentes.

Coincidentemente, por ser período de natal, as pessoas estão mais sensibilizadas, aptas a doarem, ajudarem. Donativos chegam de todas as partes, e o sistema agradece, pois, a conta acaba sendo rateada.
Não condeno a pratica da solidariedade, mas, muito mais que lamentações, precisamos de reflexões objetivas. O argumento da necessidade premente e a falta de opções dos que insistem em ocupar ou permanecer nesses locais, não justifica colocar em risco a vida de pessoas.

O fato é que tanto os nossos governantes quanto o povo ( físico ou jurídico), não podem ficar isentos de responsabilidades e culpas.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Atendimento é tudo!

Este é um período de compras, que pode ser enfadonho ou prazeroso para o cliente, dependendo do atendimento recebido nas lojas.
 O atendimento é o fator mais importante para que o cliente tenha preferência por uma determinada loja.  Ao contrário do que alguns “empreendedores” possam pensar o preço nem sempre é um chamariz de clientela. Pois, a maioria dos que buscam por preços não priorizam qualidade no produto e tão pouco no atendimento. Em Monlevade existem estabelecimentos com excelente atendimento, mas em contrapartida, existem outros onde proprietários, deveriam ser os primeiros a procurarem um curso de qualificação.
Por exemplo, antes de concluir a compra em lojas daqui da cidade já ouvi várias vezes, a mesma pergunta: Dinheiro, cheque ou cartão? A cobrança de preços diferenciados nas compras à vista e no cartão de crédito é uma prática, infelizmente, ainda muito utilizada pelos comerciantes. Já encontramos até cartazes dentro e na fachada de lojas com a informação de que, determinado desconto à vista, somente será concedido se o pagamento for através de dinheiro ou de cheque.
Pior ainda, quando o cliente só  é informado de que o desconto não serve para pagamento com cartão de crédito quando chega ao caixa.Presenciei esta cena recentemente e pude notar o constrangimento da “vítima”.
Apesar da praxe recorrente, o preço à vista deve ser o mesmo em uma parcela no cartão de crédito. E isso não é uma tese pró-consumidor, mas sim lei!A cobrança diferenciada é prática a infrativa à Portaria 118/94 do Ministério da Fazenda e também ao Código de Defesa do Consumidor e à Lei 8.884/94.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Introspecção ao invés de retrospectiva

Cutucando de leve!


Presente de um amigo nada oculto
O que falar sobre o encontro de blogueiros?! Primeiramente, partirei do princípio da inércia, típica ao ser humano, que nos impede de sair da "zona de conforto" rumo ao desconhecido. Relutei em ir, por quê? Medo de que, de quem?! Talvez de mim mesma. Afinal, somos nossos maiores inimigos, nossos principais sabotadores, quando nos impedimos de realizar qualquer coisa, privando-nos e anulando-nos do melhor que a vida possa nos oferecer...
E aí, numa analise superficial (típica á passionalidade dos arianos) descobri que por detrás de alguém que fere há alguém ferido. Que todos nós, por mais fortes que apresentemos, possuímos inseguranças e limitações, parecidas... Que os “Brutus também amam”... Que por detrás da sutileza, típica ao universo feminino, há fortalezas inabaláveis e instransponíveis... Que a educação nada mais é que um estado de espírito...  Que todos gostam dos heróis, mas admitem que, os vilões também são necessários... Que no silêncio de cada um, há uma voz que clama, e fala, através do olhar, dos gestos , das ações! Que há doce e sabor em tudo, depende do paladar e da sensibilidade de quem "consome"... 
Enfim, a vida se resume a um constante aprendizado. E nela (vida) não há “asperge” em assunto nenhum. A cada dia somos surpreendidos com a nossa total e alienada ignorância acerca das coisas e das pessoas...  Afinal, graças a Deus, somos HUMANOS!

sábado, 17 de dezembro de 2011

Enquanto eles "brincam de gato e rato", o povo "paga o pato"!


Constantemente somos obrigados a assistir de camarote às presepadas motivadas por interesses políticos. Embora tais manobras sejam inconstitucionais e vergonhosas, já não nos causa espanto, chegando a serem consideradas por alguns como “jogadas”.
Porém, na minha concepção, existem situações inadmissíveis, para não dizer levianas.  Questões como segurança e saúde, que envolvem a qualidade de vida da população, que na grande maioria, trabalha e paga impostos (mal administrados, diga-se de passagem), deveriam estar acima de “guerrinhas”, motivadas pela vaidade e anseio de poder. Lugar indicado para medir forças se chama ringue! Então que vão para um e cobre ingresso de quem queira assistir!
Deixar a população sem um Pronto Socorro é terrorismo! Meu sobrinho teve que ficar horas e horas com um parafuso emperrado no pé (devido a um acidente de trabalho), aguardando por atendimento no Pronto Socorro do Margarida. Queria ver se fosse alguém do meio político... Mas é claro, raramente a gente os vê em filas de hospitais, porque supostamente, detém o direito de um “atendimento especial”... E saber, que somos nós que pagamos por tais regalias, é o que me deixa P da vida!

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Motorista da Enscon deixa crianças sem aulas!

As chuvas têm causado transtornos à população e as poças nas pistas, além de proporcionar perigo aos motoristas, incomodam os pedestres, que constantemente se molham quando passam carros nas vias. Poucos sabem, no entanto, que – de acordo com o artigo 171 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) – “usar o veículo para arremessar, sobre os pedestres ou veículos, água ou detritos” é infração média, passível de multa de aproximadamente R$ 215.
Na manhã dessa quinta-feira (15), por volta das 12 horas, um motorista que conduzia a linha 12 da ENSCON, deu um banho de lama nas pessoas que aguardavam pelo Rota nas proximidades do bairro Boa Vista.  Pais e crianças relataram que o motorista, desumano e imprudente, conduzia o veículo em alta velocidade, quando passou em uma poça sujando a todos que estavam por lá. Enlameadas, as crianças não tiveram como irem às aulas, os pais ficaram indignados e esperam que a ENSCON tome as devidas providências.


 

Terceirizando problemas


O ato de terceirizar é nada mais, nada menos, que a transferir para terceiros a incumbência pela execução de alguma atividade. Empresas públicas e privadas utilizam do método, (principalmente para lidar com assuntos que não constituem o objeto principal do empreendimento) visando melhorar a qualidade o produto ou serviço vendido e também a produtividade.

Discurso muito bonito, porém na prática isso nem sempre funciona! Porque é como diz aquele provérbio: "Quem não sabe executar, não sabe mandar." Ao desconhecer a atividade a ser realizada, corre-se o risco de contratar empresas inadequadas para realizar os serviços, sem competência e idoneidade.

A CEMIG, por exemplo, segundo dados da Revista Brasil Energia, comemora a terceirização, apontando-a como medida para redução de custos ao consumidor. No entanto, devido a um erro na leitura de consumo (um serviço terceirizado pela CEMIG) movi um processo que vem se estendendo ao longo dos anos. O que é desgastante para mim e para o judiciário.

E não para por aí. Salvo o serviço de entrega dos CORREIOS, constantemente tenho problemas com correspondências extraviadas.

Algumas instituições financeiras contratadas pelas grandes lojas, principalmente ligadas ao setor de cobrança, são um fiasco.

Já em relação ao serviço público, este então, melhor nem comentar...



terça-feira, 13 de dezembro de 2011

A contada da cantada da Contata!

Parece trava-língua, mas não é! Ontem á noite, dando uma "xeretada" nos blogs, deparei-me com algo inusitado... O Marco Martino colocou em seu blog um convite para a inauguração da iluminação da Avenida Castelo Branco (que, diga-se de passagem, tornou-se a Savassi Monlevadense e ficou linda com os adornos natalinos).

Para variar, um anônimo deu “as caras” e deixou esta pérola registrada: “Mas cantada de natal? Que coisa feia, não tem redator ai não? concerto, recital e outras mais! mas cantada de natal qual é Martino?” E, o Martino não deixou barato: “Meu caro anônimo. Má vontade faz até as pessoas lerem o que não está escrito. Leia direito. É cantata e não cantada.”.
Só acho que o Martino deveria ter dado uma explicada na Cantata, afinal, a falta de “leitura” pode ser culpa da falta de “curtura”! Sendo assim: A Cantata é uma peça musical para ser "cantada”, (como o nome aponta), muito utilizada em época de Natal.

Sinalizar é preciso!

Foto ilustrativa
Quando os motoristas não entendem tem é que desenhar mesmo! Fiquei sabendo que a prefeitura Municipal de João Monlevade adquiriu uma máquina de pintura para sinalização viária. Com a aquisição do equipamento será possível ordenar o trânsito e os estacionamentos na área central de Carneirinhos e assim, tirar os motoristas da tradicional fila indiana e principalmente orientar aos apressadinhos ou desavisados.
Agora é ficar na torcida para que a fonte seja quente e que o serviço seja bem executado!
Por enquanto, fica aí um conselho: Nesse período de festas de final de ano não vamos matar os nossos sonhos nem os dos outros: Mantenha a calma e não discuta no trânsito. Haverá sempre alguém nervoso ou apressado, doido para, fazer você se sentir como eles.  Deixa a criatura ir, conceda à preferência (mesmo que no fundo queira “dar uns bons tabefes”). Vamos procurar fazer a nossa parte no trânsito. E, dirigir defensivamente, com segurança, é uma forma de compartilharmos a vida, de zelar e cuidar dela.

Lista Polêmica!

Certa lista constando os dez mais chifrudos da cidade tem causado estrago. Confesso que desconheço o teor e em qual veículo a mesma foi divulgada. Porém, uma coisa é certa, seja celebridade ou "meros mortais", traição é traição e dá ibope!Um fato parecido aconteceu há dois anos na Lagoa da Prata e deu pano para manga,  leia: http://www.saiunojornal.com.br/cornos-da-lagoa-da-prata-minas-gerais-lista-divulgada-no-orkut-virou-caso-de-policia-em-mg.html 

O fato é que volta e meia encontro com algum conhecido perguntando sobre a tal lista e se o caso é verídico (ao telhado de vidro ...).

Bom, creio que deve se tratar de uma “brincadeira", típica dos anônimos! Embora, uma vítima (ou ré?) achou a mesma de péssimo gosto e pretende levar o caso à justiça.

No fundo, nós sabemos que a "fofoca" rola nas melhores famílias. Porém temos de ter o cuidado de sabermos até onde ir. E a meu ver, a mídia social [embora muitas sobrevivam de denegrir, difamar e perseguir] deveria respeitar a individualidade das pessoas, principalmente no campo familiar, afinal, numa atitude desta você não atinge somente a pessoa em questão não é mesmo?

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

No topo da escória, mas acima do bem e do mal!

Quanto mais convivo com o ser humano, mais aprendo a gostar dos meus bichos... É como dizem, se quer conhecer um homem, dê poder a ele, e verás a verdade que sempre se escondeu. É lastimável, deprimente, para não dizer nojento, o caráter de certos indivíduos da "nata" Monlevadense. Pessoas que foram eleitas através de suas Igrejas, pregando a unidade, o Cristianismo e, no entanto não passam sepulcros caiados. Fariseus, fanáticos e hipócritas, vivem de manipular as leis para seu interesse. E, para conseguirem o que querem passam por cima de tudo e de todos como um rolo compressor... E assim seguem destruindo famílias e sonhos... Mas um dia a casa cai, ô se cai!


quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Especulações à parte... Ele voltou?!

Meu colega Carlos Coelho, (vulgo Capissoba) ,recentemente publicou em seu jornal que Emerson Duarte poderia deixar a assessoria de comunicação da Prefeitura Municipal para montar uma empresa de publicidade. O que não foi confirmado até então. Porém, Coincidência ou não, o ex-vereador, Marco Aurélio Loureiro, que já atuou nas Secretarias de Planejamento e Fazenda e presidiu a Fundação Casa de Cultura de João Monlevade por três mandatos, foi visto hoje no interior da Prefeitura Municipal cumprimentando os funcionários. Será ele a mais nova convocação para o time do Prandini? Ficaremos no aguardo...

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Prenúncio do caos!

Preparativos para a ceia... O que era para ser um momento prazeroso acaba virando um pesadelo! Por questões de "saúde” evito ao máximo realizar compras nos dias de sábado. Além das Avenidas ficarem intransitáveis tanto nas ruas quanto nos passeios, as pessoas de um modo geral ficam num mal humor... Mas, sábado passado não tive como evitar e foi uma maratona! Gastei longos 45minutos entre o Central Palace - Comercial Monlevade e tive que presenciar de tudo durante as compras: seção de “DR” (discussão de relação) entre casais, pirraça de crianças, palavrões na fila e “carrinhada” na canela !(conselho: de agora em diante vá ás compras calçando cortuno!) 
Vou aproveitar este post para fazer duas observações: quem autoriza o uso de tendas nos passeios da cidade e as famosas carreatas? Afinal onde fica o direito das pessoas de ir e vir?! Além do buzinaço infernal tem a questão do trânsito que fica ainda pior!  Não sou contra a venda de ingressos antecipados ou a promoção de eventos, mas, com tantas praças espalhadas pela cidade, porque não utilizarem desses espaços!Puxa vida! Será que o Settran enxerga isto?

 Outra coisa que vem me chamando a atenção é o comportamento dos motoristas dentro dos estacionamentos dos comércios. Meu Deus! Não existe respeito ao sentido do trânsito! Para se conseguir uma vaga vale tudo, inclusive conduzir na contramão ou percorrer o estacionamento de marcha ré! Sábado quase presenciei um casal com um bebê no colo sendo atropelados por um veiculo em um estacionamento. Se alguém não tomar uma providência vai acontecer uma tragédia!

 Termino com uma frase interessante que meu filho falou durante a maratona de sábado: “Esquenta não mãe. Esta é Monlevade, a terra sem lei”!


segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Os que vivem reclamando de tudo deveriam ver este vídeo!

Pais que batem em filhos pderão voltar para escola

Dar beliscões e tapinhas pode ser proibido por lei. Humilhar, ameaçar e ridicularizar a criança também. Trata-se da "Lei da Palmada", que será votada esta semana. Se o projeto virar lei, pai, mãe ou responsável que bateu no filho será encaminhado a programas comunitários de proteção à família para tratamento psicológico ou psiquiátrico com a criança. Poderá ainda receber uma advertência, um aviso para não repetir a agressão.
O relatório com detalhes da proposta foi entregue essa semana à comissão especial que discute o assunto no Congresso e diz que crianças e adolescentes têm o direito de crescer sem nenhum tipo de castigo físico. A lei, no entanto já gera polêmicas antes mesmo de ser aprovada. Se para alguns, "o tapinha" é violento e antipedagógico, para outros é uma forma de se impor limites.

Eu confesso que estou dividida! Sábado tive m papo “brabo” com os meninos e, inclusive cheguei mencionar as “chineladas” que eu recebia da minha mãe enquanto criança. Ao contrário deles, eu cuidava do meu uniforme e material escolar, respeitava a vez de falar, cumprimentava as pessoas na rua, além de cumprir os combinados da casa. Motivo? Respeito! Medo, que seja! Tinha a convicção que a falta da execução das tarefas significava entrar “no chinelo”!  Hoje o sistema é diferente... É colocar para pensar! Colocar de castigo! Tirar aquilo que gosta! Mas, nem sempre isto resolve!

Agradeço a minha mãe por todo o “couro” ao qual fui submetida, porque pude acompanhar muitos colegas que tinham pais permissíveis demais, sendo encaminhados à delegacia ou cemitério! É como eu sempre ouvi dos meus pais: “Quando os pais não educam a escola da vida se incube!  

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Taxi Fantasma ataca em São Gonçalo

Ao que parece, desde 2001 alguns Táxis de São Gonçalo estariam circulando sem passageiros... A vida imita a arte , a arte imita a vida ou coisa parecida!

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

A pressa continua sendo inimiga da perfeição!

A Prefeitura asfaltou o final da Avenida Getúlio Vargas no Bairro Santa Bárbara, que era calçada, para a alegria dos moradores. Mas, deixou as tampas de esgosto desniveladas, para a tristeza dos motoristas. A maioria das cidades fazem esse tipo de “serviço porco”, coloca-se a camada asfáltica sobre o asfalto velho ou calçamento, mas, esquece-se dos reparos das tampas de esgotos ou bueiro. Resultado: Formam-se aquelas “panelas” bem no meio da pista, prontinhas para empenar as rodas dos veículos dos desavisados. As grelhas e tampas de bueiro também seguem a mesma lógica, colocando também em situações de risco, pedestres e ciclistas. O que me choca é a correria com que o serviço é feito... E todos sabem que pressa e perfeição não caminham juntas!

Uma mensagem para o mundo através da Deusa de Mil Braços

Na Antiguidade, os deficientes eram considerados inválidos e eram sacrificados. Aristóteles acreditava que o pensamento era desenvolvido através da linguagem, e a linguagem com a fala. Assim o surdo não pensava e consequentemente não poderia ser considerado gente, humano. Na China eram lançados eram lançados ao mar. Na cultura Romana,eram considerados incapazes de gerenciar seus atos, perdiam sua condição de ser humano e eram confundidos com o retardado.E a igreja católica até a Idade Média acreditava que os surdos não tinham almas, por isso, não poderiam ser considerados imortais porque esses cidadãos não podiam falar em sacramentos."Ledo e preconceituoso engano"! Afinal, os seres humanos se destacam não pelo número de sentidos que os caracterizam, mas pela qualidade daqueles que estão no desempenho da sua função.